domingo, 29 de maio de 2016

Reflexão sobre as produções mediáticas


Reflexão sobre as produções mediáticas



Marcado pela solidão da contemporaneidade, o homem se vê interpelado pela mídia, na qual influencia de forma instantânea em seu estado de ser e viver. É através dessa forma manipuladora, cujos artifícios são inúmeros, sejam eles comerciais de TV, telenovelas, telejornais, internet, o sujeito deixa de ser “o que é” e passa a ser “o que os outros desejam que ele seja.” Ela usa de suas ferramentas gerando mudanças de atitudes e comportamentos, substituindo valores, modificando e influenciando. Todos esses artifícios contribuem significadamente para a mudança do sujeito, fazendo surgir novos modos de subjetividades, pois a partir do que a mídia mostra, ela consegue manipular e distorcer conceitos simples, formando e valorizando estereótipos.
 Sendo a mídia a maior fonte de informação e entretenimento e os inúmeros públicos envolvidos nesse processo, os modos de estratégia de endereçamento são minuciosamente articulados, para atingirem a atenção, tanto de homens, mulheres, jovens e crianças,de todas as classes sociais, que se veem presos a essas lentes cheias de subterfúgios capazes de mudar e articular formas que transformam a informação em mercadorias desejáveis a qualquer preço.

Embora, saibamos que a influencia da mídia pode ser prejudicial e hierarquiza valores e modos de pensar e agir da sociedade, não podemos deixar de aceitar que ela também pode ser aliada na construção de novos saberes e que a escola e os professores devem aproveitar os variados recursos tecnológicos, como propulsores da mediação e como estratégia de ensino. Fazer outros usos das abordagens áudios visuais e desconstruir o estereótipo televisivo, é um dos grandes desafios lançados, porém, os jovens da atualidade, estão imersos nessa linguagem de imagens, sendo assim, usar esses meios, podem motivá-los para uma aprendizagem significativa, transformando esses olhares antes sem sentido, em olhares críticos, cheios de  interpretação e reflexão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário